quarta-feira, 29 de junho de 2016

CFF lança campanha por receita e prontuário legíveis

O Conselho Federal de Farmácia (CFF), em parceria com o Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos (ISMP) e o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), inicia nesta segunda-feira, dia 27 de junho, uma campanha pela conscientização dos profissionais da saúde sobre a importância da clareza no preenchimento da prescrição e do prontuário visando melhorar a segurança do paciente. As peças da campanha foram inspiradas no PROTOCOLO DE SEGURANÇA NA PRESCRIÇÃO, USO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), do Ministério da Saúde (Para saber mais, clique aqui), e estão alinhadas com os objetivos do Programa de Suporte ao Cuidado Farmacêutico na Atenção à Saúde (Profar), criado pelo CFF para apoiar a atuação clínica do farmacêutico (saiba mais em profar-cff.org.br).

“A forma como é escrita uma informação em saúde pode fazer a diferença entre salvar vidas ou colocá-las em risco. O cuidado é fundamental e protege também os profissionais que compõem a equipe da saúde, incluindo o prescritor”, justifica o presidente do CFF, Walter da Silva Jorge João. Segundo o National Coordinating Council for Medication Error ReportingPrevention (NCC MERP), dos Estados Unidos, nomes de medicamentos com grafia ou som semelhantes estão relacionados a pelo menos 15% das notificações de erros de medicação. No Brasil, existem mais de 30 mil medicamentos registrados, sendo que um mesmo princípio ativo pode ter dezenas de apresentações diferentes.
O presidente do Cofen, Manoel Neri, avalia que preencher com clareza prescrições e prontuário é fundamental para evitar ocorrências adversas e garantir a segurança do paciente. “Entre o profissional de Enfermagem e o paciente não há intermediários. Por isso, o Conselho Federal de Enfermagem participa dessa campanha", afirma Manoel Neri.
"Neste contexto, devem ser evitadas as abreviaturas, a letra ilegível e as prescrições confusas e incompletas, com doses e dosagens que podem confundir e levar a erros da equipe de saúde e do próprio paciente", comenta o presidente do ISMP, Mário Borges Rosa. Ele frisa que a principal missão do ISMP é a segurança do uso de medicamento em todo o seu ciclo de utilização – prescrição, dispensação e administração. “Temos uma história de serviços prestados ao país nesta área, que remonta a 2006, quando realizamos o I Fórum Internacional sobre Segurança do Paciente: Erros de Medicação, em Belo Horizonte (MG). É uma satisfação participar de mais essa iniciativa pela preservação de vidas.” O ISMP é uma entidade sem fins lucrativos e desde 2009 é afiliada ao ISMP - EUA (fundado em1994).
O paciente tem direito a assistência de qualidade e os profissionais da saúde devem se preparar para o atendimento a casos cada vez mais complexos e processos de cuidado mais susceptíveis a erros. Trabalhando com as melhores evidências científicas existentes, e em equipe, cada profissional da saúde tem importância no resultado do cuidado à saúde, buscando-se assim evitar danos desnecessários aos pacientes.
A legibilidade das receitas é obrigatória e está prevista inclusive na Lei Federal nº 5.991/73. Em seu artigo 35, alínea A, a lei diz que somente será aviada a receita que estiver escrita por extenso e de modo legível, observados a nomenclatura e o sistema de pesos e medidas oficiais. Também está previsto no referido dispositivo legal que a receita deve conter o nome e, expressamente, o modo de usar o medicamento, além da data e da assinatura do profissional e o número de inscrição no respectivo conselho profissional, além do endereço de ambos. No caso dos médicos, a inobservância do preceito legal também fere o Código de Ética Médica. O capítulo III, artigo 11, veda ao médico "receitar, atestar ou emitir laudos de forma secreta ou ilegível".

segunda-feira, 20 de junho de 2016

CONSELHO FEDERAL TEM 30 DIAS PRA CUMPRIR DECISÃO JUDICIAL.



O Conselho Federal de Enfermagem - COFEN, tem 30 dias para cumprir a decisão judicia, que determina a demissão dos funcionários contratados sem concurso público como determina a legislação. Segundo informações são aproximadamente 300 funcionários, que estão lotados, desde o COFEN até os Conselhos Regionais de todo pais.
No COREN-PE são pelo menos 14 funcionários que estão nessa situação, Funcionários esse já tinham sido demitido e posteriormente foram reintegrado ao quadro por determinação do próprio conselho Federal de Enfermagem, que agora tem prazo de 30 dias para cumprir a decisão de 29ª vara do Trabalho do Rio de Janeiro no Processo 0159400-09-2003.5.01.0029 ACP. Decisão essa transitada em julgado.
Vale Ressaltar que o Conselho Federal de Enfermagem, Cometeu a maior injustiça ao Afastar a Presidente Dr. Giovana Mastrangeli, e da Tesoureira Dr. Renilde Muniz, Legitimante eleita para o cargo de Presidente e Tesoureira da autarquia em pernambuco, puro e simplesmente, por elas terem cumprida a decisão judicial.
DECISÃO DO COFEN N° 0077/2016 afastando ambas por 60 dias e prorrogada por mais 60 pela DECISÃO DO COFEN N° 144/2016. Vale ressaltar que ambas as decisões foi por Insubordinação hierárquica prevista em Lei e nos Regimentos. Isso significa que uma decisão judicial transitada em julgado tem não tem valor... Será que é isso mesmo ? Pra mim isso significa que a justiça é cega surda e muda.
José Ademir Luiz Silva Técnico de Enfermagem e Enfermeiro.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

NOTA DE REPÚDIO


Federação Nacional dos Enfermeiros – FNE, entidade sindical de segundo grau, em conjunto com o Sindicato dos Enfermeiros de Pernambuco – SEEPE vem a público registrar seu TOTAL REPÚDIO ao ato praticado pelo Médico Hepatologista, (C. L.), face a conduta praticada em ambiente Hospitalar, na cidade de Recife, PE, contra Profissional Enfermeira, lhe expondo de forma agressiva em seu ambiente de trabalho, conforme divulgado amplamente através de vídeo gravado, encaminhado via aplicativo whatsapp.
Conforme consta do vídeo encaminhado o suposto Médico, trata a Enfermeira na Unidade Hospitalar com gritos, de forma agressiva, sendo o motivo pelo qual as informações que ele queria não estavam na prancheta do paciente (vide vídeo).
Absurdo o tratamento do Médico, com a Enfermeira!
O Profissional Enfermeiro deve cumprir com suas obrigações legais, previstas na Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, sendo certo que não é subordinado do Médico, devendo ser tratado com respeito recíproco, no ambiente de trabalho.
Caso tenha algum erro de conduta, cabe ao empregador resolver, de forma razoável, não através de pratica de Assédio Moral, ou qualquer outra forma, que não expõe o profissional perante a equipe de Enfermagem, e pacientes.
Tais praticas serão averiguadas e se necessário as entidades Federação Nacional dos Enfermeiros – FNE em conjunto com o Sindicato dos Enfermeiros de Pernambuco – SEEPE.
A FNE luta constantemente pelo respeito e valorização dos milhões de enfermeiros brasileiros e tomará, se necessário, as medidas judiciais cabíveis junto ao Conselho Regional de Medicina de Pernambuco e ao Conselho Federal de Medicina, considerando a amplitude e alcance do vídeo gravado, denegrindo esta Profissional e toda da categoria de Profissionais Enfermeiros.
Continuaremos “andando para frente”, avante em prol da sociedade, atendendo os pacientes com excelência, através de qualificação, contando sempre com a equipe de enfermagem, com a ética e bons costumes que os pacientes esperam e sempre continuarão recebendo desta categoria.

terça-feira, 14 de junho de 2016

PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM DESRESPEITADO POR MÉDICO


É inaceitável que profissionais de enfermagem sejam tratados dessa forma, por uma criaturazinha dessa, que se acha semi-Deus, e que acha que pode tratar profissionais de enfermagem dessa forma. Se em publico ele dispensa um tratamento desse,imagine, como ele não trata outras pessoas entre quatro paredes. Essa atitude será o seu maior pesadelo enquanto profissional de saúde e pior ele mexeu num vespeiro agora aguente a tromba.
‪#‎nojodeprofissionalcomoesse‬
‪#‎essecaranãorepresentaamedicina‬.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

VACINAS ABERTAS,EXPÕE RISCOS A POPULAÇÃO E OS PROFISSIONAIS


Recebemos Hoje duas Denuncias, de que alguns PNI's dos Distritos Sanitários do Recife enviaram vacinas abertas para serem aplicadas pelos profissionais das unidades de saúde do Município, expondo riscos a população e os profissionais. Primeiro porque as vacinas estão abertas, segundo porque não tem registrada datas em que foram abertas, terceiro o profissional não sabe como foram manipuladas e por quem foi manipulada. Diante dessas Graves denuncias pedimos que o Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco - Coren-PE e a Secretaria de Saúde do Recife apure tais denuncias e que os culpados sejam punidos, porque isso não pode voltar acontecer. 

‪#‎estáerrado‬
‪#‎riscoparapopulação‬
‪#‎riscoparaoprofissional‬

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...