terça-feira, 30 de setembro de 2014

Estudo: Crianças que tomam antibiótico antes de 2 anos correm maior risco de obesidade

 
Aumento do risco da obesidade variou entre 2% a 20% 

As crianças que são tratadas com antibióticos de amplo espectro antes dos dois anos de idade enfrentam um risco maior de desenvolver obesidade infantil, alertou um estudo americano publicado nessa segunda-feira (29).

Saiba mais sobre:
Dupla jornada é realidade para profissionais da Enfermagem
Emenda dá cinco anos para que enfermagem tenha carga semanal de 30 horas
Lista de vereadores que não apoiam a criação da CPI do esquemas de desvio de verbas públicas via ONG's/RJ
O papel do hospital na Rede de Atenção à Saúde
Enfermeiros  sentem-se discriminados e pedem audiência
Sancionado projeto que dá celeridade aos processos trabalhistas
Sancionada a lei da jornada de 30 horas para os profissionais de enfermagem  

A pesquisa, publicada no Jornal Pediatrics, da Associação Médica Americana (JAMA), é a mais recente a encontrar um vínculo entre problemas de peso e antibióticos, que podem acabar com as infecções bacterianas, mas também afetam a benéfica microflora intestinal, que coloniza os intestinos.

Especialistas do Hospital Infantil da Filadélfia analisaram dados de saúde de quase 65 mil crianças, tratadas em clínicas de cuidados primários, entre 2001 e 2013. As incluídas no estudo foram acompanhadas por cinco anos.

Mais de dois terços das crianças estudadas foram expostas a antibióticos antes dos dois anos. O aumento do risco da obesidade variou entre 2% a 20% e foi observado, particularmente, em crianças que tinham sido tratadas com antibióticos quatro ou mais vezes aos 2 anos de idade.

Estes antibióticos de amplo espectro, usados para combater uma série de bactérias, também estão relacionados com o risco de problemas de peso na infância.

"Nenhuma associação foi vista entre obesidade e antibióticos de espectro reduzido" destacou o estudo, que descreveu o uso de antibióticos de amplo espectro em crianças abaixo dos dois anos como um fator de uma criança vir a desenvolver obesidade.

O estudo recomendou que diretrizes de tratamento para doenças pediátricas comuns exijam limites no uso de antibióticos e a preferência por medicações de espectro reduzido.

A prescrição inadequada e o uso excessivo destes antibióticos de amplo espectro também foram relacionados com a emergência de cepas de bactérias resistentes a medicamentos.

Nos últimos anos, as autoridades sanitárias americanas têm exigido aos médicos que reduzam a prescrição de antibióticos e também têm tentado educar os pais de que os vírus comuns não podem ser curados com antibióticos.

"Este estudo dá uma outra razão sólida para considerar com mais cuidado as razões para os usos de antibióticos e evitá-los sempre que possível", afirmou Patricia Vuguin, endocrinologista pediátrica do Centro Médico Cohen en New Hyde Park, Nova York.

"Embora seja robusto, o estudo não foi capaz de considerar outras variáveis que contribuem para o risco de obesidade, inclusive dieta, prática de exercícios e histórico familiar de obesidade", acrescentou Vuguin, que não participou do estudo.

As descobertas garantiram que estudos futuros que poderiam levar em conta outros fatores que influenciam a flora intestinal, inclusive o uso de probióticos e amamentação, disse Molly Regelmann, professor assistente de pediatria da Escola de Medicina Icahn do hospital Monte Sinai, em Nova York.



MONAENF - Mobilização Nacional da Enfermagem
Blog MONAENF:  http://bit.ly/MobilizacaoEnfermagem
Facebook: bit.ly/MONAENF
Grupo no Facebook: www.facebook.com/groups/mobilizacaodaenfermagem
YouTube: www.youtube.com/EnfermagemNet
No Google+: bit.ly/MoNaEnF
Twitter: twitter.com/MONAENFermagem
Fonte: noticias.ne10.uol.com.br


https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif

domingo, 14 de setembro de 2014

Técnicos de enfermagem garantem a vitória nas eleições do COREN-PE

 Técnicos de enfermagem da Chapa 2, garantem a vitória nas eleições do COREN-PE

Após o processo eleitoral ocorrido neste sábado (13/09), perdurando até às 8 horas desse domingo (14/09), o resultado das apurações garantiram a vitória da Chapa 2.

Independente do resultado, o esperado é que prevaleça o interesse da categoria.

Parabéns novos representantes do Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (COREN-PE)!

Vídeo usado na campanha da chapa 2:






Dados das eleições


Prontos para um novo desafio!

Notícias anteriores

Eleições do Coren-PE 2014


Aviso aos profissionais de enfermagem de Pernambuco

Com a proximidade do período das eleições do sistema, o Conselho Federal de Enfermagem divulga a Decisão Cofen nº 104/2014 que, entre outras coisas, estabelece a data de realização do pleito eleitoral para o triênio 2015/2017.

De acordo com a decisão 18 de julho de 2014 é o prazo final para os eleitores estarem adimplentes com suas anuidades junto ao Regional que está inscrito, sendo esta condição necessária para tornar-se apto ao voto.

Diferente dos anos anteriores, este ano o voto será on-line, não necessitando de deslocamentos a urnas eleitorais.

Leia na íntegra a Decisão Cofen nº 104/2014, esteja ciente das regras para a regularidade do voto e evite sanções decorrentes do não cumprimento das normas legais, a exemplo da multa eleitoral.

Eleições do Coren-PE 2014


Com a proximidade das Eleições 2014 dos Conselhos Regionais de Enfermagem, fique atento à importantes  informações a respeito do pleito:

• NÃO haverá possibilidade de votar na sede do COREN/PE e subseções conforme Art. 7, § 1º do Regulamento das Eleições por Internet aprovado pela Resolução Cofen Nº 428 de 9/05/2012.

• Durante as 24 horas de eleição, ou seja, das 8:00 horas do dia 13 às 8:00 horas do dia 14 de setembro de 2014, a sede do COREN/PE funcionará em regime de plantão, apenas para auxiliar eleitores aptos, que estejam com problemas de acesso.

• A simulação no site da eleição ficará disponível somente até o dia 10/09/2014.

• Apenas para o INSCRITO REMIDO O VOTO NÃO É OBRIGATÓRIO.

• Quem parcelou a anuidade poderá votar, desde que tenha estado adimplente das parcelas na data 18/07/2014, conforme Decisão Cofen 104/2014.

• Quem estiver inadimplente deverá justificar o voto pela internet no prazo regulamentar (até 30 dias após as eleições).

• O valor da multa para o eleitor que deixar de votar, sem justa causa, será a quantia equivalente ao valor atualizado da anuidade de seu nível profissional, conforme resolução cofen 355/2009. Art. 29 do Código Eleitoral dos Conselhos de Enfermagem e Art. 12, § 2º, da Lei 5.905/1973.

• O profissional que NÃO constar na base dados não precisará justificar, visto que não possui obrigatoriedade de votar.

• Eleitores que possuem mais de um registro no Coren, deverão votar em cada um de seus registros, devendo justificar ausência de voto por registro para não pagar multa, pois para cada Inscrição Definitiva Principal Ativa Regular, o Profissional deverá votar ou justificar sua ausência de voto.
 



MONAENF - Mobilização Nacional da Enfermagem
Blog MONAENF:  http://bit.ly/MobilizacaoEnfermagem
Facebook: bit.ly/MONAENF
Grupo no Facebook: www.facebook.com/groups/mobilizacaodaenfermagem
YouTube: www.youtube.com/EnfermagemNet
No Google+: bit.ly/MoNaEnF
Twitter: twitter.com/MONAENFermagem
Fonte:

https://lh3.googleusercontent.com/-15TawoL0n0U/UPBtbni031I/AAAAAAAAHbw/K2NBNp4QKoM/s675/facebook-comments.gif

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...